29 junho 2009

Conversando com o lutador Pedro

O Pedro foi ganhando aos poucos o seu lugar na frente do ataque academista infantil. Com o seu trabalho e luta e sempre com um sorriso conseguiu dar provas do seu valor e contribuir para ser campeão. Agora irá subir de escalão mas com trabalho e empenho vai conseguir concretizar o seu sonho. Força ai campeão, conquista!

Em poucas palavras, como pudemos definir o Pedro como jogador e pessoa?
Sou um jogador muito lutador que nunca gosto de perder e nunca desisto. Para mim todos os jogos são para ganhar. Mas quando temos um resultado menos bom, há que levantar a cabeça e ganhar o próximo.

Qual o percurso que fizeste até chegares aqui aos infantis do Académico?
O meu percurso pelo clube academista ainda não foi muito longo. Comecei na equipa B dos infantis, depois nesta época fui para a equipa A. Agora estou a ver se consigo entrar na equipa de iniciados.

Para conhecer os teus gostos, uma música preferida, frase ou lema de vida que te caracteriza e livro preferido se quiseres revelar?
Eu gosto muito de uma boa música á portuguesa e para isso, nada melhor que Xutos e Pontapés. =D

Durante o tempo que já jogas futebol tiveste bons e maus momentos. Podes dizer um momento para recordar e outro para esquecer?
Um momento para recordar é decididamente o nosso merecido titulo. E um para esquecer é a nossa época 07/08, foi mesmo muito má.

Que treinador te lembras melhor, por te ter marcado na tua formação?
É estranho mas o que me marcou mais foi o mister Daniel, por confiava muito em mim. Se calhar porque me punha a jogar mais ou alguma coisa do género.

Que clube foi para ti a revelação e a desilusão do Campeonato?
O Repesenses porque já toda a gente pensava que não iam chegar aonde chegaram, mas contra tudo e todos eles conseguiram. E desilusão foi o Lusitano por exactamente o contrario.

O que achaste do campeonato feito por vocês?
Acho que foi mesmo muito bom porque em dezenas de jogos, só três é que são derrotas.

Como é vestir a camisa academista?
É uma sensação espectacular, saber que estamos a representar o Académico. E só pensamos em fazer um bom jogo.

Foi um caminho longo até ao título, ultrapassando vários obstáculos. Como foi ser campeão, o que sentiste?
Foi muito bom saber que fomos recompensados pelo nosso trabalho árduo ao longo do ano.

Para o ano, novo escalão e novo desafio. Como achas que vai ser esta nova realidade a um novo tipo de futebol e acima de tudo jogar na Nacional?
Vai ser bom mas nos treinos trabalhava bem, agora tenho que trabalhar ainda melhor. Novos colegas, novo campo, novo treinador, novo futebol….

Que sonho gostavas de concretizar?
Sinceramente era conseguir entrar na equipa dos iniciados.

Um ídolo?
O Messi do Barcelona.

Uma palavra para os sócios, adeptos, direcção e todos os leitores do blog e para o blog.
Digo que agora temos que apoiar o Académico especialmente agora que subimos. FORÇA ACADÉMICO!!!!!! http://www.academico.blogspot.com/

24 junho 2009

Dois minutos de conversa com Diogo Cunha

O Diogo Cunha foi um dos jogadores que aguentou a nau dos juniores este ano. Jogando em várias posições mostrou a sua polivalência e com a sua ambição e querer conseguiu decerto melhorar o seu jogo. Como pessoa é um amigo sempre sorridente e a quem desejo que as estrelas lhe reservem um bom futuro!

Como podemos descrever o Diogo Cunha como jogador?
O Cunha é um jogador ambicioso, simples, por vezes trapalhão mas que disputa cada lance de jogo como se fosse o ultimo.

Para te conhecermos um pouco melhor, qual a tua música preferida, livro e já agora a frase ou lema com que te identificas mais.
Kinetic (ATFC Remix), livro: “ o sétimo selo” e lema “calma descontracção estupidez natural” xD

Qual o teu percurso até chegares aos juniores academistas?
Infantis- académico; iniciados- Repesenses; juvenis – académico; e juniores- académico.

Ao longo deste percurso já deves ter tido momentos positivos e outros negativos. Podes contar um de cada?
O momento negaivo foi a entorse no joelho que tive no ano passado que me deixou muito abatido pois não contribui muito para o sucesso que a equipa teve, e é duro ver os outros jogar sabendo que podíamos ser nós a estar no lugar deles.Momento positivo foi quando fomos campeões distritais nos juvenis sem uma única derrota.

Qual o treinador que te marcou mais neste trajecto?
Todos os treinadores que “apanhei” deixaram a sua marca. Foi o mister pipo que me lançou nos infantis, depois tive uma série de grandes momentos nos quais criei uma grande amizade com o mister Nuno Mirandês, o mister João e mister Roger sempre muito dedicados e empenhados para nos fazer ver que para vencermos e preciso trabalhar e sobretudo correr muito. E agora uma experiencia nova com o mister Sérgio Nunes que esta noutro patamar já mesmo pela experiência e que também mostrou que o futebol pode ser como um caminhada mas para isso temos de manter os níveis de concentração e de eficácia sempre nos pontos mais altos para tal acontecer.

Subiste de escalão. Como foi este novo ano nos Juniores?
Um ano um pouco irregular, mas onde joguei com companheiros novos e experimentei posições novas..por isso a nível pessoal foi bastante bom.

Como é vestir a camisa academista?
Para mim é vestir a camisola do principal clube da nossa cidade!

No final do campeonato, foste ainda capitão? Como foi esse dever?
Foi um momento pelo qual já esperava há algum tempo. Ainda não sei as razões pela qual fui escolhido para tal cargo, mas gostei que os companheiros de equipa me apoiassem e principalmente aceitassem como capitão dos juniores do académico

Foi uma equipa de altos e baixos, que começou a crescer novamente já perto do final do campeonato. No final a classificação soube a pouco?
A classificação sabe a pouco, mas tivemos alguns problemas que podem ter condicionado. Também algumas nas nossas exibições… Mas ficámos no lugar que ficamos apenas porque não estivemos ao nosso melhor nível por vezes quando tínhamos dever para tal.

O que achas que correu menos bem para estes altos e baixos acontecerem?
Alguma falta de união na equipa, houve jogos em que parecíamos que jogávamos uns com os outros pela 1ª vez.

Para o ano, com uma equipa mais estável e já com uma boa plataforma como achas que vai correr?
Penso que ira correr bem melhor que este ano pois cometemos erros esta época que tenho a certeza que não se voltaram a cometer.

Qual o teu ídolo?
Não tenho grandes ídolos. Até tento aprender sempre com os meus erros para melhorar as minhas fraquezas mas tenho uma admiração pelo Pepe do Real Madrid

E um sonho?
Poder vir a ser profissional de futebol e tentar chegar o mais longe possivel

Uma palavra final para os adeptos, pessoas ligadas ao clube e leitores deste blog?
Grande trabalho que estão a fazer no blog! Demonstra que há sempre alguém atento ao nosso trabalho continuem assim. Agradecer os adeptos, sócios e simpatizantes do clube pelo apoio e que continuem a vir ver nos jogar. E um grande abraço aos pais dos jogadores do plantel de juniores pelo carinho e apoio que sempre nos deram.

17 junho 2009

9º Torneio Internacional Escolas”NELSON FERNANDES”

Grupo A
S.C.BRAGA
ESC.F.PIRES B
VARZIM S.C.
SANTA MARINA B

Grupo B
ACADEMICO VISEU
G.D.PRADO
VALDMINOR
MOANESA

Grupo C
VITÓRIA GUIMARÃES
DARQUENSE
REDONDELA
ESC. F. PIRES A

Grupo D
SLBENFICA
RAPID BOUZAS
SANTA MARINA A
CERAMISTAS

A Escola de formação Fernando Pires organiza mais um torneio internacional com a presença de 16 equipas, onde está incluida a equipa das escolas academistas. Os jogos serão este fim de semana em Braga, no complexo desportivo de Trandeiras.

  • SÁBADO 20 JUNHO 2009

Hora

Grupo

Jogo

Res

10:00 HorasABraga - Fernando Pires B
10:00 HorasAVarzim - Sta Marina B
10:40 HorasBAcadémico Viseu - Prado
10:40 HorasBValminor - Moanesa
11:15 HorasCGuimarães - Darquense
11:15 HorasCRedondela - Fernando Pires A
14:30 HorasDBenfica - Rapid Bouzas
14:30 HorasDSta Marina A - Ceramistas
15:05 HorasABraga - Varzim
15:05 HorasAFernando Pires B - Sta Marina B
15:40 HorasBAcadémico Viseu - Valminor
15:40 HorasBPrado - Moanesa
16:15 HorasCGuimarães - Redondela
16:15 HorasCDarquense - Fernando Pires A
16:50 HorasDBenfica - Sta Marina A
16:50 HorasDRapid Bouzas - Ceramistas
17:25 HorasAFernando Pires B - Varzim
17:25 HorasABraga - Sta Marina B
18:00 HorasBPrado - Valminor
18:00 HorasBAcadémico Viseu - Moanesa
18:35 HorasCDarquense - Redondela
18:35 HorasCGuimarães - Fernando Pires A
19:10 HorasDRapid Bouzas - Sta Marina A
19:10 HorasDBenfica- Ceramistas


  • DOMINGO 21 JUNHO 2009

Hora

Grupo

Jogo

Res

09:30 Horas11º A - 2º C
09:30 Horas21º B - 2º D
10:05 Horas31º C - 2º A
10:05 Horas41º D - 2º B
10:40 HorasAVencedor 1 - Vencedor 2
10:40 HorasBVencido 1 - Vencido 2
11:15 HorasCVencedor 3 - Vencedor 4
11:15 HorasDVencido 3 - Vencido 4
11:50 HorasFinal Consolação
11:50 Horas3/4 Lugar
12:25 HorasFinal

15 junho 2009

14 junho 2009

Entrevista sorridente

Diogo Pereira, é um dos "malabaristas" da equipa dos juvenis academistas. Com raça e acima de tudo técnica e velocidade consegue colocar em sentido as hostes contrárias.
Sempre sorridente alimenta um sonho e que espero que concretize: o de ser jogador profissional. Sonha, sorri e conquista!

Em poucas palavras, como pudemos definir o Diogo Pereira como jogador e pessoa?
Como jogador: é um jogador que tem muita garra e entrega ao jogo.
Como pessoa uma dupla personalidade: pois num dia posso ser o melhor amigo que se pode ter. Mas no outro ser uma pessoa totalmente diferente. OS MEUS AMIGOS DIZEM QUE TENHO DUPLA PERSONALIDADE xD

Para conhecer os teus gostos, uma música preferida, frase ou lema de vida que te caracteriza e livro preferido se quiseres revelar?
Música preferida agora halo –beyoncé por um motivo especial. Por isso é a última musica antes dos jogos que ouço. Sobre a frase é nunca desistir dos nossos objectivos.

Durante o tempo que já jogas futebol tiveste bons e maus momentos. Podes dizer um momento para recordar e outro para esquecer?
Gostava de aproveitar esta pergunta para aqui dizer que o melhor momento que passei desde que jogo futebol foi nos EUA. A forma como fui e sou recebido por toda e equipa e treinadores do Lusitana Sports FC. O meu obrigado a eles! O pior momento talvez esta época com a descida aos distritais.

Como é para ti vestir a camisola academista?
Acima de tudo é um motivo de grande orgulho puder vestir a camisola do académico.

Que clube foi para ti a revelação e a desilusão do Campeonato?
As revelações penso que foram o F.C. Porto pois pode se dizer que andou a passear nesta primeira fase do campeonato somando apenas vitórias. A outra equipa foi o União de Lamas: uma equipa que no ano passado tal como nós subiu ao nacional e que conseguiu a manutenção e acabou com alguma distancia da linha de agua. A desilusão penso que foi sem dúvida a nossa equipa. À partida para este campeonato dava a entender que a manutenção seria garantida mas com o passar do tempo os maus resultados vieram ao de cima e isso sentenciou-nos!

O que achas que pode ter corrido mal e que ditou a descida dos Juvenis?
Eu como jogador apenas tenho de dizer o que correu mal foram os jogos. A equipa técnica saberá o resto

O que achaste do campeonato feito por vocês?
Uma equipa que desce não se pode dizer que o campeonato correu bem. Digamos que ficamos aquém das expectativas.

Para o ano, novo desafio: o de colocar os juvenis de novo nos Nacionais. Como achas que vai correr?
Se para o ano continuar nos juvenis do académico irei me esforçar para que esse objectivo seja atingido lutando em cada jogo pelos 3 pontos. Não nos podemos esquecer também que a tarefa não é fácil de todo. A ver vamos!

Que sonho gostavas de concretizar?
Eu como a maioria dos atletas que aqui jogam temos um sonho que é de um dia chegar a jogar num dos melhores clubes do pais e do mundo.

Um ídolo?
Tal como no ano passado volto a dizer Landon Donovan jogador do LA Galaxy

Uma palavra para os sócios, adeptos, direcção e todos os leitores do blog.
Não deixem de ir ver os jogos das camadas jovens do académico pois é por ai que passa o futuro da equipa sénior. Continuem a apoiar como têm feito até agora ou ainda mais se possível.

10 junho 2009

Entrevista com o lutador Eduardo

O Eduardo é um daqueles jogadores trabalhadores. Empenhado, trabalhador e humilde, luta sempre até ao limite por cada lance. Este ano teve uma das suas maiores alegrias: o de ser campeão pelos infantis academistas. O sonho o qual eu partilho é vê-lo a jogar na primeira e a conquistar uma Taça de Portugal pelo Académico. Amigo, trabalha e vais conquistar!

Em poucas palavras, como pudemos definir o Eduardo como jogador e pessoa?
Não gosto de perder, muito menos de fazer maus jogos. Para mim todos os jogos são encarados da mesma maneira, seja contra quem for. Não gosto de egoísmo no futebol nem gosto daqueles que pensam que são melhores do que os outros.

Qual o percurso que fizeste até chegares aqui aos infantis do Académico?
Comecei a jogar com 7 anos, com futebol de 5 e depois escolas e agora infantis.

Para conhecer os teus gostos, uma música preferida, frase ou lema de vida que te caracteriza e livro preferido se quiseres revelar?
A minha musica preferida é a “You’re a gonna go far kid “ dos “The Offspring” porque nos ensina a nunca desistir.

Durante o tempo que já jogas futebol tiveste bons e maus momentos. Podes dizer um momento para recordar e outro para esquecer?
Para recordar é este ano porque, como é claro, fomos campeões. Para esquecer foi o da minha lesão nos escolas, no joelho. Fiquei parado quase 1 mês. Posso dizer que ficar parado este tempo todo foi culpa minha porque eu sabendo que estava com dores e lesionado, continuava a ir aos treinos.

Que treinador te lembras melhor, por te ter marcado na tua formação?
O treinador que me lembro melhor é o treinador Daniel, o que me treinou nos Infantis B. Era um treinador brincalhão e que me deu muita confiança para continuar a jogar futebol.

Que clube foi para ti a revelação e a desilusão do Campeonato?
A equipa revelação foi o Repeses e a desilusão foi o Vildemoinhos.

O que achaste do campeonato feito por vocês?
Foi um campeonato excelente, com apenas 3 derrotas acho que foi, numa escala de 0 a 20, foi 18.
Foi um caminho longo até ao título, ultrapassando vários obstáculos. Como foi ser campeão, o que sentiste?
Eu senti uma grande emoção em tudo o campeonato. Ser campeão é uma emoção que impossível de explicar.

Para o ano, novo escalão e novo desafio. Como achas que vai ser esta nova realidade a um novo tipo de futebol e acima de tudo jogar na Nacional?
Para mim vai ser uma grande mudança como e para todos os outros, tenho de me aplicar mais do que todos para puder ser titular.

Que sonho gostavas de concretizar?
Jogar pelo académico na primeira divisão e vencer pelo menos a taça de Portugal.

Um ídolo?
Um ídolo para mim é o Xavi que joga no Barcelona.

Uma palavra para os sócios, adeptos, direcção e todos os leitores do blog?
Mais que tudo desejo boa sorte aos próximos infantis do caf para voltarmos a ser campeões. Os jogadores de todas as camadas do académico dos escolas aos seniores, não conseguem ganhar títulos sem apoios portanto vamos apoiar o nosso Académico até estar novamente na primeira.

08 junho 2009

Entrevista com o rápido Tiago

O Tiago é um jogador com grande potencial e uma grande virtude a humildade. Bom a nível físico e táctico, evoluiu na leitura do jogo e assumiu com o seu colega Guilherme, um papel importante na recuperação equipa de Iniciados academista. Foi ganhando o seu espaço no primeiro ano de camisola negra vestida. Sonha e com o teu gosto de aprender vais longe campeão!

Como podemos descrever o Tiago Almeida como jogador? Rápido e cheio de vontade de ganhar.

Para te conhecermos um pouco melhor, qual a tua música preferida, livro e já agora a frase ou lema com que te identificas mais?
Eu costumo ouvir diferentes tipos de musica dependendo da ocasião antes de um jogo gosto de ouvir musica house, concentro-me bastante com esse tipo de musicas. O meu livro preferido é sexta-feira e a vida selvagem e o meu lema é sofrer sofrer sofrer lutar até vencer que é o nosso grito com o que eu me identifico muito.

Qual o teu percurso até chegares aos iniciados academistas?
Joguei 6 anos no Lusitano e senti vontade de mudar para evoluir mais e desde cedo muito influênciado por um grande amigo e colega de equipa Guilherme senti que o Acdémico de Viseu era a melhor equipa para mim.

Ao longo deste percurso já deves ter tido momentos positivos e outros negativos. Podes contar um de cada?
Um momento negativo que marcou foram os primeiros 5 jogos desta época que lutamos bastante para os ganhar mas não conseguimos e um momento positivo foi a grande mudança que conseguimos efectuar a partir do jogo em que conseguimos o primeiro ponto em que eu marquei 2 golos e fiquei confiante e motivado para continuar a fazer melhor e melhor.

Qual o treinador que te marcou mais neste trajecto?
João Costa desde cedo mostrou que era diferente de todos os outros treinadores que eu tinha tido. No início foi complicado porque eu não o conhecia e ás vezes sentia-me mal. Mas com o passar do tempo fui evoluindo porque foi um treinador que nunca desistiu de mim e mais do que um treinador ganhei um grande amigo.

Como foi este teu primeiro ano ao serviço do Académico?
Foi um ano de sonho em que fiz uma época regular e em que fizemos um trajecto que só grandes clubes fazem . Se não fossem aqueles primeiros 5 jogos quem sabe não tinhamos chegado mais longe.

Como é vestir a camisa academista?
É prestigiante e é com muito orgulho que o faço.

Um primeiro ano nos Nacionais, como foi para ti este Campeonato?
No início foi complicado pois começamos com uma equipa quase nova e não nos conhecíamos bem mas com o passar do tempo fomo-nos habituando e quase que faziamos as coisas de olhos fechados.
Eu notei logo a diferença entre a nacional e a distrital na nacional temos que manter um ritmo elevado se não quisermos ficar para trás.

Começando de uma forma frágil, a equipa soube-se unir e mostrar o seu valor e fazer uma recuperação notável. No final a classificação soube a pouco?
Claramente, pois vimos que no final tinhamos equipa para disputar um jogo contra qualquer equipa do campeonato. Mas o campeonato começa desde o primeiro jogo e temos que pensar que fizemos uma excelente época apesar de tudo e que com esforço e trabalho tudo se consegue.

Um dos trunfos desta equipa foi a união de todos os seus elementos, bem como técnicos e adeptos. Achas que foi o tónico que permitiu essa enorme recuperação?
Eu penso que sim tinhamos um grupo muito unido em que todos se davam bem e todos queriam ganhar. O apoio de todos os diregentes e dos adeptos principalmente foi importantíssimo porque sempre nos incentivaram e nos momentos menos bons souberam incentivar o mister João e não como muitas equipas fazem onde começam a deitar abaixo.

Para o ano, novo desafio, subida de escalão e luta por subir os Juvenis academistas aos Nacionais. Como achas que vai ser esse desafio?
Vai ser um novo desafio e penso que temos um plantel muito bom.
Com trabalho e dedicação podemos subir aos nacionais e honrar o clube como devem fazer todos os jogadores que vestem esta camisola .

Qual o teu ídolo? Fernando Torres.

Um palavra final para os adeptos, pessoas ligadas ao clube e leitores deste blog?
Com disciplina, rigor e alegria o futebol é Vida.

07 junho 2009

Desta vez ganhou Golias


Académico Viseu - Batuque Futebol Clube (Cabo Verde) 2:6
Golos Académico Viseu: André Sobral (54 min) e Pipa (78 min).
Golos Batuque: Barcal Baldê (33, 81, 88 min), Elton Barros (48, 63, 67 min)

Académico Viseu: Tony, André Sobral, Jorge Cunha, Marco Loureiro, Diogo Cunha, Melo, Pipa, Jorge Pereira, Diogo, Romeu, Zé Henrique, Nogueira, Leandro, Ferreirinha, Vitinho, Romeu, Diogo e Rui Pedro.
Batuque: Ivan Lopes, Elton Barros, Solvelivan da Luz, Freddy Rocha, Edivando Reis, César Lopes, Armando Lisboa, Joasimar Conceição, Hernany Crisóstomo, Nuno Lopes, Barcal Bardê, Hélio Lopes, Valdir, Vitor da Luz, Iracénio Fortes, Kelvin Fortes, Clerdin Silva.

Na final do Torneio Internacional de Viseu, o Académico defrontava a equipa do Batuque vinda de Cabo Verde. Este era um jogo marcado pela imagem mitológica de David contra Golias, face à diferença a níveis físicos das duas equipas.
Todavia os jovens academistas em nada se amedrontaram e conseguiram equilibrar a partida, com rápidos passes e só aos 10 minutos é que a equipa caboverdiana coloca à prova Tony que responde da melhor forma a um cabeceamento de Edivando Reis.
Na resposta é Ferreirinha que lança bem Diogo que entra na área forasteira e remata cruzado à baliza de Ivan Lopes.
O equilibrio era o tónico dominante mas aos 20 minutos acontece um caso negativo da partida quando Zé Henrique é expulso com uma decisão bastante prepotente do árbitro da partida.
Com mais um elemento a turma do Batuque, começou a pressionar mais e aos 27 minutos Barçal bem desmarcado consegue cabecear bem, valendo o corte de Marco para canto. No seguimento do mesmo é Hernâny a rematar bem valendo a defesa de Tony.
Aos 33 minutos Barçal aproveita as liberdades dadas e remata bem, fazendo o primeiro golo da partida.
Com 39 minutos Edivando após falha da defensiva academista entra isolado na área academista mas perde bastante tempo e permite a recuperação dos defesas academistas.
Nos cinco minutos finais o Académico conseguiu pressionar e aos 41 minutos surge novo caso duvidoso onde Freddy parece ter tocado a bola com a mão após remate de Ferreirinha.
Chegava-se ao intervalo com um resultado injusto perante o que se assistiu na primeira parte.
Moralizado com a vantagem a turma do Batuque entrou mais pressionante e logo no primeiro minuto Joasimar na sequência de um livre leva a bola a embater com estrondo no poste. Aos 48 minutos Elton Barros bem desmarcado entra no interior da área academista e faz o segundo golo na partida.
Mesmo com o golo sofrido os jovens academistas não baixaram os braços e aos 54 minutos André Sobral tem uma boa jogada individual pela direita do seu ataque e consegue ultrapassar 3 defesas contrários e rematar bem, fazendo o golo que reduzia a vantagem caboverdiana.
Com o tempo a frescura física academista caia um pouco e aos 63 minutos Edivando descobre Elton Barros que perante uma subida da defesa academista aparece nas costas academistas e faz o golo que ampliava o marcador. Quatro minutos a seguir a mesma dupla produz um lance de ataque com o mesmo resultado prático.
Aos 78 minutos o Académico consegue ter uma ocasião flagrante para reduzir a vantagem forasteira: uma grande penalidade a castigar mão de Nuno Lopes após livre perto da área. Chamado a marcar Pipa reduz o marcador.
Contudo três minutos a seguir a equipa forasteira viria a marcar num golo fácil de Barcal Bardê que em boa posição apena encosta face à saida de Rui Pedro. Já perto do final da partida Elton Barros viria a surgir sozinho na área academista e face às facilidades encontradas carimba mais um golo e fazia o resultado final.
A acabar a partida o Académico ficou perto de marcar quando Diogo remata de forma acrobática obrigando Ivan Lopes a esticar-se de forma a evitar novo golo academista.
Arbitragem muito negativa, que quis ser a estrela de uma partida. Foi acumulando erros e o exibir de poder face a jogadores deve-se fazer de uma forma natural e não com atitudes que se viram ontem. A reflectir também!
Vitória justa caboverdiana embora com números muito alargados face à boa réplica que os jovens academistas deram. O poderio da equipa que deu ao mundo futebolistico entre outro casos Rolando atualmente no F.C.Porto e Cau ex-jogador do Leça, fez tombar o resultado para o seu lado uma partida em que os bravos academistas tudo fizeram para que o mesmo fosse outro.

Classificação geral:
1º Batuque
2º Académico Viseu
3º Repesenses
4º Ranhados

06 junho 2009

05 junho 2009

Legião academista à conquista

Torneio Cidade Viseu

Académico Viseu - Repesenses 3:2
Golos Académico Viseu: Melo, Ferreirinha e Romeu.

Académico Viseu: Tony (Rui Pedro), André Sobral (Tiago), Cunha, Marco (Nogueira), Jorge, Melo, Leandro (Pipa), Ferreirinha, Zé Henrique (Gito), Vitinho (Romeu) e Diogo.



Este era mais um derby, onde as emoções estão sempre a flor da pele e onde ambas as equipas lutam por atingir a vitória.

Começou melhor a turma repesense que se colocou em vantagem no marcador fruto de uma melhor entrada na partida. Contudo após o golo sofrido os jovens academistas conseguiram melhorar o seu jogo e viriam a empatar a partida.
Foi com o resultado pintado num empate que ambas as equipas partiram para a segunda parte. Nesta parte os jovens academistas mostraram o seu melhor futebol e conseguiram marcar por duas vezes. Já sobre para o apito final o Repesenses viria a reduzir na conversão de uma grande penalidade muita discutida.
Desta forma os jovens academistas asseguram a presença na final deste Torneio.

04 junho 2009

03 junho 2009

Campeões

video

Outro resultado:
Repesenses - Pinguinzinhos 4:5

Clube

J

V

E

D

GM

GS

Pontos

Académico Viseu421112107
Pinguinzinhos4211

16

87
Repeses

4

1031216

3

Treinos captação



Se tens o sonho do futebol e magia nos pés, aparece nos treinos de captação do Académico.
Traz equipamento e mostra a tua arte!


Alguma dúvida, contactem-me por mail ou msn: jorge.miguel.sa@gmail.com

01 junho 2009

II Torneio Internacional Viseu

Académico Viseu - Repesenses 4:0
Golos: Oliveira, Ricardo e Romeu 2

Académico Viseu - Viriatos 2:0
Golos: Zé Henrique e Paulo Renato

Académico Viseu - Aucamville 1:0
Golo: Zé Pedro.

Académico Viseu: Rui Pedro, Luís Pedro, Oliveira, Rui, Nuno, Mauro, Ricardo, Zé Pedro, Romeu, Zé Henriques, Diogo Pereira, Renato, Pedro Costa, Mickael, Pedro Ferreira, Tiago, Guilherme Santos e Paulo Renato
Treinador: João Costa.

Os jovens academistas entraram da melhor forma na fase de grupos, com uma vitória dilatada frente aos vizinhos e rivais Repesenses. Foi um jogo de um só sentido, onde os academistas com um jogo fluido conseguiram liquidar as esperanças contrárias.
No segundo jogo era mais um jogo de derby, desta vez com os Viriatos, equipa bem constituida fisicamente mas que sucumbiu face a boa valia técnica academista.
Finalizando esta fase de grupos, o jogo que se revelou mais duro (em todos os sentidos) para as hostes academistas. O jogo decidia os primeiros lugares do grupo e como se esperava foi um jogo equilibrado que foi resolvido com um grande golo de Zé Pedro. Todavia este jogo viria a acabar da pior forma, com violência entre jogadores, numa situação onde o futebol saiu prejudicado.
Com três vitórias os jovens academistas atingiram o topo do seu grupo.

Meias finais:
10:10 - Viseu Benfica- Aucamville
10:45 - Académico - Rio Ave 1:1 (3:2 grandes penalidades)
Golo Académico Viseu: Oliveira

Este foi um jogo marcado pelo equilibrio em que ambas as equipas procuravam obter a vitória que lhes assegura-se a presença na final do seu escalão.
Prova deste equilibrio foi o resultado ao final da partida que se cifrou num empate a uma bola.
Na lotaria das grandes panalidades a sorte sorriu aos jovens academistas que assim ganharam o duro acesso à final a ser jogada com a equipa da casa, o Viseu Benfica.


15:00 - Rio Ave - Aucamville
17:00 - Viseu Benfica - Académico Viseu 0:0 (4-2 penaltys)
Este era um derby bastante aguardado pelos adeptos e jogadores de ambas as equipas. Jogado sobre om calor abrasador, este foi bastante equilibrado e onde embora ambas as equipas tivessem procurado o golo não conseguiram bater as defensivas contrárias.
Desta forma chegou-se ao final do tempo regulamentar tendo que a decisão do vencedor ser pela sempre cruel lotaria das penalidades.
Foram mais eficazes os jovens benfiquistas que levam assim o título. Todavia este segundo lugar academista mostra o bom trabalho que os treinadores e jogadores continuam a fazer na formação academista. A apoiar ainda mais!!